Tempo de leitura é de aproximadamente minutos

Grandes indústrias rumo ao carbono neutro


Já é de conhecimento das empresas que  as mudanças climáticas têm se intensificado significativamente ao longo dos últimos anos. A ação humana na Terra tem provocado reações no meio ambiente que podem desencadear uma série de eventos prejudiciais para o planeta no futuro. 

Grande parte do impacto causado na natureza vem da alta emissão de gás carbônico (CO2) na atmosfera, que acaba causando a poluição do ar, a elevação da temperatura na Terra e, consequentemente, o descongelamento das calotas polares. 

O gás carbônico é emitido, em sua maioria, pelo setor de energia. Por esse motivo, as empresas do segmento e empresas com alto percentual de consumo energético têm buscado maneiras alternativas de fornecer seus serviços de forma mais sustentável. 

As intempéries e o meio-ambiente

Com a pandemia de coronavírus que obrigou as pessoas a ficarem em casa, alguns acontecimentos inesperados foram observados ao redor do globo. Os rios de Veneza, na Itália, que há muito estavam poluídos, viram a volta de peixes pela primeira vez em muitos anos. Moradores do estado de Punjab, na Índia, puderam ver as montanhas do Himalaia a 160 km de distância pela primeira vez em 30 anos. 

Esses e muitos outros eventos somente foram possíveis após a diminuição da poluição causada pelas pessoas, o que levantou diversos questionamentos e atraiu a atenção de todos para a necessidade de medidas mais sustentáveis. Essa nova preocupação do público faz com que as indústrias – responsáveis por cerca de 35% do consumo energético no Brasil – começassem a procurar formas mais limpas de atuarem no ramo. A descarbonização é uma das tendências mais comentadas para os próximos anos e uma possível solução para o problema. Mas o que é a descarbonização? 

A descarbonização e o futuro do planeta

A tendência de descarbonização no Brasil pode ser comprovada pelo Plano Nacional de Energia 2050 e pelo Plano Decenal de Expansão de Energia 2030, aprovados em dezembro de 2020 e fevereiro de 2021, respectivamente. Basicamente, a descarbonização tem como principal objetivo reduzir a quantidade de carbono emitido na atmosfera. Para isso, é necessário promover algumas mudanças no consumo e até mesmo na produção de energia.

O Brasil conta com a vantagem de possuir uma grande quantidade de recursos naturais que poderiam gerar energia de formas alternativas. Dentre algumas soluções para indústrias consumirem energia de forma mais inteligentes as mais conhecidas incluem:

Biomassa: fonte de energia renovável que provém de matéria orgânica (animal ou vegetal) que pode ser usada como combustível para caldeiras e demais ambientes de indústrias e empresas em geral;

Energia solar: não sendo nova no mercado, a energia solar apresentou um crescimento de 200% em adesão desde 2012. As condições climáticas do Brasil favorecem o uso dessa fonte renovável.

A mudança no consumo por parte das indústrias demonstra a preocupação com o futuro e com a transformação dos meios de produção em algo mais sustentável. Com a aquisição de um novo comportamento frente ao meio ambiente, as marcas só têm a ganhar, pois, em uma época onde todos estão preocupados com os impactos na natureza (principalmente pós-pandemia), ter atitudes mais verdes promovem uma imagem melhor às empresas. 

Além disso, as fontes renováveis de energia também proporcionam um consumo mais inteligente aumentando a eficiência e a economia energética. Em outras palavras, ajudar o meio ambiente é benéfico para todos e soluciona muito mais que um problema. 

A Prosumir e o compromisso com o meio ambiente

Tendo todos esses problemas de consumo de energia em vista, a Prosumir oferece uma alternativa a indústrias para torná-las mais sustentáveis. A Turbina Redutora de Pressão (TRP) surgiu para unificar o aumento da eficiência energética das empresas com a diminuição do impacto ambiental causado pelas mesmas.

A tecnologia TRP é 100% nacional e pensada para diminuir o gasto de energia nas fábricas. Ela foi desenvolvida pelo CEO da Prosumir, Julio Vieira, e teve seus primeiros testes executados em 2014, nos laboratórios da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A Turbina Redutora de Pressão propõe substituir as válvulas redutoras por geração de energia, ou seja, ao invés de desperdiçar o calor, gera-se energia com ele. O mecanismo promove uma economia de 10% a 20% de gastos com energia elétrica. Um dos exemplos da eficiência da TRP é a Ambev (empresa do setor de bebidas), que, ao operar em uma de suas fábricas com a tecnologia, pôde obter uma economia de 15% em energia. 

Ideias e soluções como essas podem transformar não só a eficiência das empresas como também o futuro do planeta inteiro. Acompanhe este trabalho para saber das nossas novidades em sustentabilidade e eficiência energética. 





Desenvolvido por uma equipe loucamente criativa   

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo.

Ei você!

Não vá embora ainda.

Não encontrou o que procurava?

Nos chame agora no WhatsApp e tire suas dúvidas!

Fale pelo WhatsApp