Tempo de leitura é de aproximadamente minutos

Desafios do cenário atual ampliam a importância de investimento em eficiência energética pela indústria


O setor produtivo brasileiro está em processo de recuperação, um movimento que deve adentrar o ano de 2022. Entretanto, esta aceleração da economia carece de vigor para superar a escalada nos custos da energia e dos combustíveis. Justamente no planejamento energético de operação é que se pode buscar uma fonte de fôlego, com a implementação de alternativas inteligentes e eficientes. É o caso do aproveitamento do resíduo térmico comum em diversas indústrias para benefício da própria produção. 

Se observado o mercado, a fatia de empresas que utilizam sistemas térmicos pode chegar a 20% do ramo industrial do Brasil. Também chama a atenção o volume de perda de energia térmica no País, estimado em 16GW por ano. Além de representar potência capaz de abastecer todo o Rio Grande do Sul, financeiramente o desperdício fica em torno dos R$ 71 milhões. Estes dados indicam o potencial ainda pouco explorado da filosofia de reaproveitamento e de eficiência energética industrial. 

O cenário atual da questão energética no país

Aliás, a discussão sobre a questão vem se mostrando urgente. Um indicativo disso é a atual crise hídrica pela qual passa o Brasil. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel),  hoje a capacidade geral dos reservatórios das usinas hidrelétricas está em 28,8%. Ademais, há aumento exponencial da demanda sobre o sistema, bem como a crescente preocupação global com as condições ambientais do Planeta. Esta atenção, inclusive, tem sido responsável por agregar valor aos produtos e credibilidade às empresas responsáveis para com os meios nos quais estão inseridas. 

Em 2020, o mundo registrou um crescimento de 80% no uso de energias renováveis. Esse é um dos exemplos de como o tema tem se tornado popular entre empresas e a sociedade. Na mesma linha, vale destacar que a eficiência energética consta entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com a ONU, é preciso “garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e renovável para todos".

Os meios alternativos enquanto solução para as indústrias

Assim, nota-se que a demanda por diversificação de produção de energia, com valorização de fontes renováveis, torna-se cada vez mais ampla e relevante. De fato, governos têm papel preponderante neste cenário, mas os grandes consumidores também carregam forte responsabilidade sobre o avanço da questão. A geografia nacional oferece das melhores matérias-primas para reforma na matriz energética, com benefício a fontes renováveis e variedade de geração. Desta forma, tanto cobrar por medidas do Poder Público quanto investir em tecnologias nas próprias plantas fabris são ações estratégicas adequadas ao período atual.

Entretanto, a adequada implantação deste tipo de tecnologia demanda o mapeamento das necessidades específicas de cada caso. A etapa envolve identificação de objetivos, pontos de maior demanda energética e possíveis desperdícios, planejamento de consumo e oportunidades de geração. A partir desta avaliação é que se pode promover, de fato, a melhoria no rendimento na relação entre uso de eletricidade e resultados fabris. Para tanto, é necessário o investimento em equipamentos confiáveis e que possam dar um ágil retorno monetário e competitivo.

As iniciativas que caminham em prol da sustentabilidade 

É na oferta de soluções de aproveitamento energético de forma inovadora e alinhada à busca pela implantação de matriz renovável que se destaca a Prosumir,  reconhecida em mais de dez premiações nacionais e internacionais. Esta credibilidade é que permite que a empresa tenha na carta de clientes algumas grandes marcas, como Ambev e LCD, por exemplo. Tudo isso por conta do comprometimento com pautas de sustentabilidade, especialmente de respeito ao meio ambiente e disposição para atendimento personalizado. A companhia prepara equipamentos em escala, conforme o desafio apresentado por cada parceiro. 

O produto de maior destaque da Prosumir Aproveitamento Energético é a turbina de geração de energia ou turbina redutora de pressão (TRP). Esta tecnologia vem para substituir as válvulas redutoras de pressão comuns, que são bastante difundidas nas plantas industriais do Brasil. As válvulas, apesar de adequarem o nível de pressão, desperdiçam o calor do processo. É justamente aí que encontra-se o diferencial do aparelho desenvolvido pela empresa da Região Metropolitana de Porto Alegre. A turbina ajusta a pressão e transforma a energia térmica em energia elétrica.

Assim, o equipamento de cogeração da Prosumir serve como ferramenta de economia e, até mesmo, de estímulo a novos projetos. Conforme relatórios recebidos pela empresa, fábricas equipadas com a turbina costumam obter de 10% a 20% de economia nos gastos com energia elétrica. Com isso, as turbinas redutoras de pressão da Prosumir se mostram capazes de oferecer ganhos de competitividade e eficiência. Além disso, a TRP costuma “se pagar” em bom prazo, numa média que fica entre 1 e 3 anos. Conheça a iniciativa de aproveitamento energético!





Desenvolvido por uma equipe loucamente criativa   

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo.

Ei você!

Não vá embora ainda.

Não encontrou o que procurava?

Nos chame agora no WhatsApp e tire suas dúvidas!

Fale pelo WhatsApp